sábado, 30 de julho de 2011

Percepção

Eu vi uma obra de arte, era mais ou menos assim:
Uma noite com o céu estrelado, onde se erguiam prédios e luzes de néon, sustentados por firmes pilastras de concreto em que sonhos adormecidos desenhavam grandes realizações. Eu também era paisagem, era brilho de estrela em néon. Pálpebras derramando o negro entre as margens onde jardins de branco abriam-se em flor.
Águas noturnas pingavam do lugar em que era para estar o teto.
O calmo retratado no submerso de quem olha o sobreposto a tinta, a superfície da cor em profundos e densos traços, pintando delicadas asas de mariposas que voam alto; Serenas e benditas deixam as flores brancas para dar contraste às sombras estrelares. São lindas. Eu também sou paisagem, mas despido de despedidas.
O quadro estava na janela, águas noturnas pingavam do lugar em que era para estar o teto.
Alguns homens chegaram depois de já seca a tinta. Ascenderam seus cigarros, sopraram fumaças e fecharam as cortinas. O que seriam seus braços além de ondas? A sociedade em hálitos salgados de maresia quebrando em rochedos estáticos de um tempo desgastado.
Oh, a maré baixa, tudo destruído. Algumas pessoas acabam a obra de arte de nossas vidas, mas depois que vão embora, podemos ver o quadro em branco a nossa frente, e nossas mãos livres e vazias. Essa é a verdadeira obra de arte. Se você pode ver, está esperando o que? Pinte-a!

Autor: Tom Aiko

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Arte-expressa

Há pessoas de mais exibindo seus ideais deixando explicito seus gostos e objetivos. São claras até mesmo quando querem sugerir algo. Seus padrões definem autoconfiança e equilíbrio, são eloqüentes e muito discursivas; Sabem que toda arte é uma expressão, mas para elas a expressão é substituível. É fato que aqueles que mais dizem o que querem, hoje querem algo, amanhã querem outra coisa.
Há aqueles que alguns chamam de inexpressivos, não é ausência de expressão, apenas não conseguiram definir o que querem transmitir, esses sabem que a arte é uma descoberta, são pessoas que podem mostrar as coisas mais verdadeiras e sinceras, por que buscaram e desvendaram o que sentiam.
Há pessoas que expressam o subjetivo, é apenas o eu na sua forma mais individual possível, não podemos chamá-los de egoístas. Mas talvez de corajosos, por saberem que mesmo mostrando, é algo que ninguém entende; É como estar diante dos olhos sem ser visto, mesmo assim, não desistir de ser percebido.
Ah, mas honestamente, independente do que estiver explicito na arte, se nela não existir algo “implícito” ela será apenas bela, o amor está nas coisas “implícitas”, que se você olhar no dicionário verá: Implícito é o que está totalmente envolvido, mesmo não expresso claramente.

Tom Aiko